segunda-feira, dezembro 31

Balancete, ou lá o que é...


Ora bom, foi um ano bom, como são aliás, todos os anos da minha vida! Amén! :)
A sério, eu sou das que não me posso queixar, e por isso mesmo, vai daí, não me queixo!
Vamos lá ver o que é que correu menos bem este ano: o papá partiu o ombro no início do ano, e isso foi assim o piorzinho que tivémos. Com tudo o que se passou a seguir, claro está. Até o leite se me varreu, ora pois...
Depois, deixa cá ver coisas menos boas.... pensa Teresa, pensa... o meu pé.
Ui, esse gajo!
A ver se pró ano o assunto fica resolvido, seja com corte seja com amputação. (credo, miúda!)
Depois... depois são só coisas boas!
Os nossos amores a crescerem lindos e espertos como só eles, sem grandes doenças, nada de especial, houve férias até mais não (Algarve, Maiorca, Roma, Londres), no trabalho as coisas correm bem, aliás, não podiam correr melhor!
Tivémos farras com amigos, temos amigos que são um espetaculo, ui, nem vos digo nem vos conto...
Houve saúde para os de casa, que é efetivamente o que é importante e é o que mais desejo para 2013.
Saúde e paz para os meus, continuação de muito trabalho para nós, que as obras da Casa Amarela tenham fim, que consiga organizá-la como eu gosto, por cores (sorriso) e que ainda dê para darmos os passeios valentes.
E é isto.
Nada de mais, portanto.
Obrigada, boa tarde a todos, que nós vamos ali para o Ribatejo do nosso coração, para um Revellon à maneira, em casa de quem também nos ama a valer.

domingo, dezembro 30


São infinitamente bons estes domingos caseiros, a fazer legos, arrumar gavetas, em pijama e a cheirar a lenha queimada.
Adoro.

Ora então achavas mesmo que lá porque já não vomitas há três dias estavas boa para a festa do Fim do Ano?!


Então toma lá uma diarreia de caixão-à-cova que é por causa das tosses!...

Ai eu...

sábado, dezembro 29


Olha, olha, mais um seguidor!
Seja bem-vindo, aqui ao estaminé da mamã! :)

Férias de Inverno


A malta vai de férias, com a mala do carro a abarrotar, brinquedos novos, jogos, um trenó (até um trenó, senhores!), luvas, gorros e cachecóis, fatos de neve, quentinhos, quentinhos, e ... népia de neve! Népia de frio! E um virús grotesco que atacou a mamã, logo na viagem para a Serra.
Pois é.
Começámos mal. Muito mal, mesmo. Com paragens no caminho e vomitado para sacos de plástico. Coisa linda de se ver, portanto...
Depois, aqueles restaurantes maravilhosos, aquele roteiro gastronómico tão cuidadosamente escolhido e... fome, népias. Só um mau estar geral que me atirou um dia e meio inteirinho para a cama, com D. Papá a tratar da pequenada e dos jogos e dos óó's, sempre sozinho.
Ora esta, hãm!?
Bolas....
Mas enfim, depois lá me recompus, o malvado do virús não se atracou a mais ninguém e lá brincámos às férias de Inverno como pudémos, sem grande neve para andar de trenó, sem muito frio para encasacar, mas fez-se o que se pôde.
E foi bom, ao fim e ao cabo.
Mas bom, bom, é regressar à nossa Casa Amarela (sorriso).





quarta-feira, dezembro 26

Agradecimentos:


Obrigada, Dear Santa, pelos collants tão quentinhos, pela mala preta e graaaande, mesmo como eu queria, pelo perfume e creme, que me fazem voltar a cheirar como no dia em que casámos, pelo casaquinho e pela camisa e calções, tão lindos, todos, que estreei ontem e tão linda que eu estava, pelo pijaminha da Hello Kitty, um amor, que quentinho, tão fofinho, pelos chocolates, os meus preferidos, ora branco, ora preto, pelo fio de prata, maravilhoso, para poder pendurar, outra vez, os meus amores ao peito, pelas botas tão modernas, e transparentes, com o lacinho da ordem, mesmo catitas, pelos três pares de brincos, pela caixinha, mesmo a que gostava, para guardar os ditos, toda cheia de divisões [ai que bem que vai ficar na casa de banho nova!...], pelo leitor de dvd para substituir o velho-que-já-tem-para-lá-de-vinte-anos-ai-que-velho-que-ele-estava.

Adorei tudo!

PS - Esqueceste-te dos garfinhos. Mas eu faço anos daqui a nada. Alguém se há-de lembrar, deles.

terça-feira, dezembro 25

Que canseira...


Isto é tudo muito lindo, e lá lá lá, gingle bells, e tal e coiso, mas o que é certo é que é uma canseira sem fim!
Este ano, pela primeira vez, houve ali vários momentos, entre birras de sono e o meu próprio cansaço, que desejei que passasse depressa... é um desabafo, sim. Mas depois passa-me logo a parvoíce e continuo no espírito da neve e dos sinos e da paz...

Bom, foi de tal maneira que depois do lanche e a caminho do jantar de Natal dos primos [outros primos, não os mesmos do lanche, óbvio!] a pequenada, que muito aguentou, é preciso dizer e frisar e voltar a salientar, encostou às boxes e não mais acordou, até amanhã, assim espero.

Amén.

Sim senhor, foi o papá dar um beijinho à bisavó, entregar os miminhos que preparámos e nós rumámos à Casa Amarela, para o descanso do(s) guerreiro(s).
Já arrumei (alguns dos ziliões de) sacos de presentes, já fiz as malas para amanhã e vou agorinha apanhar roupa. (sorriso)

[acham que me esquecia?... ehehe]

É sina, está visto...



Não sabemos se foi da excitação dos presentes, se foi porque parecia que lhe doía um ouvido ou só porque sim e temos mais é que saber viver com isto, foi das piores noitadas de sempre... nem sei bem como é que me consigo aguentar com os olhos abertos, e já dei leitinho, papinha, já mudei fraldas, já pus e tirei ganchos aos meus netos e já vi e revi todos os presentes da mai nova.
Pois que o Sr. Piolho até quase às 5h da manhã, chorou, chorou, chorou, que não conseguia dormir, que não tinha sono, mas depois em luta com o dito, chorava, chorava, chorava, e depois quis leitinho, e depois a mamã ao pé dele, e depois o papá e só quando aterrou na nossa cama e expulsou o papá para a cama dele é que a coisa sossegou.

Vai ser bonito, hoje, vai... nem quero pensar no humor da peça quando acordar... e pensar que hoje há almoço e lanche e jantar, tudo em spots distintos... eu que começo o dia de Natal completamente de rastos e com umas olheiras (ainda mais) bonitas...

(suspiro)

segunda-feira, dezembro 24





Feliz Natal, a todos aí desse lado!
Só coisas boas, sejam elas sapatos ou bolos reis carregados de fruta cristalizada!
E que se valorizem os bons momentos da vida!
E sejam felizes!
E tenham saúde, se puderem!

Beijos ao som dos sinos!
(sorriso)

Boas ações


Já aqui disse várias vezes que vivo num bairro castiço, típico, dos antigos. Onde as vizinhas são antigas, onde se trocam travessas de doces e salgados através dos muros, onde se cheiram as comidas alheias e onde se partilha muito mais do que os espaços para estacionar o carro.
Uma dessas vizinhas, a D. Rosa, foi para um lar. Já tem mais de 90 anos, vivia sozinha, ao que parece caiu em casa, e a pouca família que ainda tem, levou-a.
O lar é aqui perto e hoje decidimos lá ir, deixar-lhe os nossos votos de um Santo Natal e um miminho embrulhado com um bonito laço encarnado.
Os meus olhos encheram-se de lágrimas quando a avistámos. Tão arranjadinha, lavadinha, de mala ao ombro, à espera que a fossem buscar para passar a consoada em casa de uns sobrinhos. Quando nos viu, exclamou, com os olhos rasos de água: "Vocês vieram! Vocês são os melhores amigos que eu tenho!!..."
Tão bom!
Saímos tão felizes!
É pena os meninos não se aperceberem do bem que fizémos, que um gesto tão pequenino pode encher tanto os corações!

(suspiro)

Estado das coisas no sítio...


Os miúdos a dormir, o pai foi deixar um presente esquecido a casa dos avós e eu estou a emborcar taças de arroz doce quentinho que uma vizinha ofereceu como se não houvesse amanhã! :)

E a roupa está praticamente seca! Essa é que é essa!!

domingo, dezembro 23


E só assim para registo, e porque confesso que já receio pela minha sanidade mental, tenho 4 t-shirts penduradas em cabides no candeeiro da casa de jantar.

É só.
Por hoje.

Ai eu...


Ah, e os biscoitos ficaram para lá de espetaculares!!!!


Hoje deixámos cenouras e alho francês, para as desgraçadas das renas que têm pela frente uma noite de trabalho daquelas!...
Venham, venham...
Por aqui já andámos a espalhar presentes à volta da árvore.
Amanhã vai ser a loucura, vêr naquelas carinhas pequeninas o azul dos olhos a brilhar...

(sorriso)

Objectivos 2013 #1


Quando a malta de palmo e meio acordar, vamos fazer biscoitos.
Prometi a mim mesma que no próximo ano vou ajudar mais o marido na cozinha.
Hoje entramos em estágio.

Me-do.

Tenho que partilhar!!!


Sol tímido entre as núvens, 17 graus de máxima para hoje e humidade a ... 88%????????????????
Mas como é que querem que a roupa seque com 88% de humidade???
Fónix!

Já não me posso ouvir, mas o que é certo é que não tenho camisolas interiores para os miúdos levarem para a serra... tudo estendido e cá com um ar que não vos digo nem vos conto!...

Humfh!


Sabemos que andamos verdadeiramente cansadas quando vamos deitar a miúda, às dez da noite, nos estendemos só um bocadinho para ter a certeza que ela fica e, quando olhamos para o lado, são duas da manhã e ela choraminga com dor de dentes... e ele tosse... e ela chora... e ele tosse... e são 4 da manhã e toma lá ben-u-ron... e são sete da manhã e deixa-me lá ver se estão bem tapados que me parece que arrefeceu... e pronto. É isto.
A minha vida.



sábado, dezembro 22

Postais de Natal, será da crise???


Quem não gosta de receber?
Dos verdadeiros, que chegam pelas mãos do Sr. Carteiro, agora cá mails...
Todos os anos envio e recebo meia dúzia deles. Para as minhas 3 afilhadas, para um casal amigo que vive longe, muito longe, para uns primos e para uns amigos que ganhei num dos empregos que tive.
Este ano enviei-os a todos bem cedo, no início do mês de dezembro, para não correr o risco de andar a correr e não chegarem a tempo!
Eu gosto de planear e de cumprir tudo aquilo a que me proponho.
Menos a parte da gestão da roupa de casa, mas isso é já um tema que origina enfado. Enfado? Isto existe? Enfadamento... what ever!
Bom, isto para dizer que dos que enviei só recebi resposta de um deles! Do que vem de mais longe!
E um email como resposta de um dos outros.
Ora caramba!
Eu gosto de receber postais de Natal!
Até das lojas, vá, se não houver dos mais próximos!
E ponho-os na árvore, penduradinhos, como se fossem bolas ou sininhos!
Este ano a coisa está fraca... está, está...


Quase, quase tudo a postos!
Presentes devidamente embrulhados e com as respetivas etiquetas, separados por sacos, uns para a consoada, outros para o almoço do dia de Natal, outros para o lanche em casa da tia M, outras ainda para o jantar de Natal.
Uma correria.
Correria é a palavra que mais depressa associo à nossa quadra natalícia!
Mas é a forma de estarmos com todos, pais, avós, tios, primos.
E brindar, a uns e a outros.
Frio, parece-me, não vai haver.
Nem lareiras acesas, por esta ordem de ideias.
Mas calor, esse sim, muito, do humano.
E eu cá estou em pulgas, para divulgar as surpresas que preparei.
Para tanta gente... (sorriso)

Para hoje, estamos a cumprir: miúdos em pijama, sestas, roupa estendida (mais silêncio...), comida caseira, últimos preparativos.
Para amanhã será mais do mesmo, com o complemento fazer-as-malas-para-as-férias-na-neve.
Bom, voltando à questão meteorológica, e tendo em conta que tem estado mais calor do que em muitas primaveras da minha juventude, cheira-me que brincaremos a atirar pedras uns aos outros, já que neve.... hum... não me parece mesmo nada que haja...

Ora então muito bom dia!!!


E ao fim de uma semana frenética, a dormir muito pouco e com muito pouca qualidade, eis uma noite de 6 horinhas seguidas, sem chuchas nem choros, sem febres nem tosses!
Estou como nova, mas isto é coisa para deixar mossa... uma semana inteirinha a meio gás, com dias cheios, de trabalho, de concentração, de almoços e jantares de Natal, de compras, de recados, de médicos, de remédios...
Prevê-se um fim de semana totalmente caseiro, sem narizes de fora a não ser aqui da mamã para estender e apanhar roupa (... silêncio...) a ver se recuperamos!
Sr. Piolho a antibiótico, ela com uma tosse cavernosa, o papá e eu cansados que só visto...

quinta-feira, dezembro 20

Jantar dos Objetivos 2012/2013


Há dez anos que fazemos isto: jantamos as cinco, todas menos uma que fomos passar 15 dias ao Brasil, na pior altura da minha vida.
Uma viragem, foi o que aquela viagem representou para mim.
Desde essa altura que nos reunimos numa jantarada para analisarmos o ano que passou e planearmos, uma a uma, o ano que se avizinha.
Abrimos um envelope devidamente selado e guardado religiosamente, de um ano para o outro, e verificam-se as faltas e quem cumpriu aquilo a que se propôs.
Escusado será dizer que as risotas são mais que muitas, é rir até doer a barriga, uma animação pegada e, obviamente, não passamos despercebidas no restaurante onde estamos.
Todos os anos rumamos a um diferente, da moda, pois claro, como não podia deixar de ser...
Este ano o envelope andou desaparecido, mas lá deu as caras, em casa de quem devia.
E lá estaremos, daqui a pouco, para umas horas bem passadas...
Resta saber que raio é que eu prometi cumprir em 2012 porque, assim de repente, só me lembro de qualquer coisa relacionada com pêlos, que, seguramente, não cumpri... agora cá tempo para pensar em lasers nas virilhas... ai eu...

Dear Santa, se é para pedir, aqui vai:


Era uma mala preta (toda preta, sem dourados e com poucos prateados, sem fechos brilhantes, tachas ou fivelas foleiras). Eram uns garfinhos de sobremesa para o dia-a-dia para não ter que ir buscar à baixela porque os seis da cozinha, às vezes, são poucos. Era também uns collants pretos opacos, daqueles grossos que não deixam ver se a malta não tem MESMO a depilação feita. Eram umas sabrinas, rasinhas, rasinhas, por causa do ranhoso do meu pé (e sobre esse falo noutra altura que não quero começar o dia em lágrimas...), podem ser pretas ou azuis. Ou as duas, vá.

O mais importante: era saúde. Para todos. Muita. Paletes dela.
Agradecida.

quarta-feira, dezembro 19


Sobre a roupa e a respetiva secagem, nem vou falar, sob pena de me nascerem borbulhas na testa.

Diz que os nérves fazem crescer borbulhas na testa....

E os Caricas, como foi por lá!?


Foi absolutamente espetacular!
Nem tenho palavras para descrever!
Aquilo é demais para os coraçõezinhos pequeninos... tanta palminha, tanto gritinho de emoção!
Ela aguentou heroicamente durante o tempo todo, ora ao meu colo, ora ao colo do papá, aos saltinhos e a apontar para o palco, como quem diz "Eu adoro eles!!"
E o Panda? O Panda é uma figura(ça) enorme mas fofinho que distribui sorrisos e acumula fãs de palmo e meio.
O auge foi quando uma menina da plateia chamada MArgarida foi ao palco dançar com os artistas. Quando foi pedido um aplauso para a Margarida, a minha filha ficou em êxtase! Ela achou mesmo que as palmas eram para ela!

(sorrisooooooooooooooooooooo)



Visitas noturnas!


Na noite passada, antes da miudagem ir dormir, decidimos deixar um monte de cenouras no jardim, para o caso das renas do Sr. Pai Natal passarem e estarem com fome... e não é que hoje de manhã as cenouras estavam todas comidas, só restavam uns restos mordidos e no lugar das cenouras estavam quatro presentes?!!?!?
Ela não percebe nada, pois claro, afinal só tem 16 meses, mas ele... ele nem olhava prós presentes!
Nem queria acreditar que elas tinham mesmo vindo, dos céus, a guiar o Senhor das Barbas Brancas!
Uma emoção, esta manhã!... (sorriso)

Como param as modas, por aqui...


Médio.
Médio menos, aliás.
As modas por aqui andam em baixo de forma...
D Flor esteve muito constipada, tem uma tosse caverosa há três dias, chegou a ter febre e come menos bem.
O Sr. Piolho, arde em febre. O meu principe pequenino veio da escola ontem com o maldito vírus do cócó mole. Anda murchinho, cabisbaixo, sem apetite, sem forças... hoje ficou nos avós, lá se divertiu e distraiu, mas chegou a casa a dormir e cheio de febre.
Já engoliu uma colher de xarope e agora é esperar que faça efeito e rezar para não haver mais gregórios nocturnos...

Ai eu...

terça-feira, dezembro 18


Sem tempo nem paciência para vir escrevinhar.
Amanhã é o dia...

domingo, dezembro 16


Sou só eu que me stresso com a roupa que não seca e, se seca dentro de casa, fica a cheirar mal e volta de novo para dentro da máquina?
Ai que neeeeervos!!!


sexta-feira, dezembro 14

Planos pró fim de semana-pós-neura:


Valha-nos isso, senhores!
Ele é almoços, ele é lanches, ele é ... espera aí... caiu-me a ficha agora mesmo!
OH-MEU-DEUS!
Nós vamos ao Festival do Panda e os Caricas no próximo domingo!!
De-po-is-de-a-ma-nhã!!!
Obaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!
O miúdo vomitou?
Nem que vá de saco plástico, não perco aquilo por nada!
Nem eu nem a minha Florzinha!!!!

Ehhehehehheheh

Mas conta lá!


Já temos devidamente instalado o chão-por-baixo-do-chão.
Aquele que é uma espécie de soalho anterior, interior, whatever... e só a seguir é que vem o dito. O definitivo.
Ainda assim, já se consegue vislumbrar o espaço bem jeitoso do novo quarto do Sr. Piolho.
E da casa de banho, que também cresce.
As paredes ainda não tomaram forma e o tecto idem aspas.

Está demorado, portanto.
Que é efetivamente o que interessa saber.

Isso.

Outro assunto tabu, mesmo bom em dia neurótico:


As obras na Casa Amarela.

Pois.

Voltamos ao tema "Com uma neura do tamanho de um camião"


Chegar ao escritório às 9h da manhã.
Tudo em estado de sítio porque tínhamos recebido uma carta a pedir um combóio de documentação para... quando??... desculpem??... segunda-feira.
Pois.
Todo o santo dia a correr, ora faltam as atas, depois faltam os contratos, depois onde é que estão as escrituras, contar, medir, avaliar, programar, escrever, escrever, escrever...
Almoçar fora de horas.
Retomar pela tarde.
Aproximam-se as seis da tarde, chove a potes, trânsito caótico.
E tanto por fazer.
Coordenar quem vai buscar a miudagem aos avós, [que estão com os cabelos em pé de os ter aos dois, um meio em baixo de forma, ela com uma energia fora de série, porque hoje tenho cá o meu mano por isso não posso perder pitada deste dia, agora cá sestas!], papá ruma com eles aos outros avós para o jantar semanal.
As horas a passar.
A neura apodera-se (ainda mais) de mim.
Quem pode vir amanhã?
Silêncio.
Bom, é melhor terminarmos por hoje.
E aqui estou.
A casa em silêncio, tudo fora e a mamã agarrada a uma tijela de cereais.
Daqui a bocado eles chegam e agarro-me aos beijos e abraços.

Que raio de sexta-feira, credo!

Ai pensas que lá porque dormiste 5h seguidas na outra noite agora é sempre assim??...


Então toma lá uma noitada de vomitados e choros que é para não achares que és esperta!

(ai eu...)

quarta-feira, dezembro 12

E o passatempo, Teresa?!


Ora bem, enquanto ainda consigo escrever duas linhas seguidas sem cair para o lado, aqui vai: lembram-se deste post?
Pois então é por aqui que o concurso dá as caras...
Ora então, espreitem lá e tratem do assunto porque os meus olhos vão fechar a qualquer momento e depois não consigo subir as escadas... nem de gatas!

Boa sorte, minha gente! Boa sorte!

PS - Se tiverem um presépio como o meu, onde gormitis, playmobil's e figuras de barro convivem alegremente, têm fortes possibilidades de ganhar. Digo eu, ora pois!

Numa outra vida eu devo ter sido morcego....


... tal não é a quantidade de noites que passo sem dormir mais do que 2h seguidas... e custa tanto, senhores... bolas!
Ele é a chucha dela, ele são os pesadelos dele, ele é a minha constipação, ele é o raio que os parta a todos, que isto já vai sendo complicado de gerir, oh caneco!

buff!...

terça-feira, dezembro 11


Tenho para aqui um concurso (sim, um concurso aqui no estaminé, imagine-se!!) mas ainda não me organizei para escrevinhar como deve ser....
E agora tenho embrulhos para fazer, que quando a malta de palmo e meio dorme é aproveitar, minha gente, é aproveitar!!!

Ehehe

Viva! Viva!!


Atingiiiiiiiiiiiiiiiiimoooooooooooooos ceeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeem seguidoooooreeeeeessssssssssssssssssss!!!!

Toca a levantar!


Que bem que eu ficava quentinha, quentinha, na minha cama... só eu sei o que me custou levantar, tomar banho (que friiiiio...) e vestir-me... e agora vesti-los a eles... e dar os pequenos almoços...

Bom, vamos a isto que a partir de hoje conto melhorar em todos os momentos...


segunda-feira, dezembro 10

Status


Muito mal... por aqui estamos mal, atacada por uma constipação gigantesca, nariz a pingar, dores no corpo, olhos lacrimejantes, uma lástima, portanto...
Fomos ao pediatra com D. Flor e ele confirmou aquilo que nós já tínhamos decidido fazer: não há cá mais análises para ninguém, não voltaremos à consulta do Hospital.
Não há nada que possamos fazer, não há nada que vá alterar, não vamos deixar de dar peixe à garota por isso vamos mantê-la longe de picas e exames.
E é isto.
Por hoje é isto.

domingo, dezembro 9


Meu Deus!
Quando fui lá fora buscar o resto dos enfeites de Natal, na Casinha do Jardim, dei de caras com um saco de tecido encarnado, com dois embrulhos lá dentro.
Não é possível descrever a excitação deste miúdo ao olhar para o saco e ao ler na etiqueta o nome dele!!!!!

Adoro isto!

sábado, dezembro 8

Já é Natal, por fim, na Casa Amarela!
Árvore e Presépio, devidamente montados e a luzir.
Nela, há bolas de feltro, estrelas desenhadas, anjinhos de papel, muitas luzinhas brancas a piscar e, para mim, é a mais linda de todas as árvores, porque é a nossa e porque foi enfeitada por mãozinhas pequeninas.


No presépio... bom, no presépio há Gormitis a trepar o telhado da cabaninha, há uma lavadeira e um pato a chapinhar num lago de papel metalizado, há um camelo marroquino e as figuras, assim no geral, andam num virote porque é só D. Flor andar por aqui, que ora pega no menino, ora num rei mago, ora num mémé e aí vai ela, por aí fora, toda contente, espalhar o Natal por toda a casa. Depois é preciso ir atrás, ver onde é que ela deixou os desgraçados e fazê-los voltar a Belém. Ou a cima da mesinha, que foi o sítio escolhido...


Passámos toda a tarde na festa da escola do Sr. Piolho. Muita música, muita dança, a visita do Pai Natal, uma animação e um cansaço gigantescos.
Ela já dorme o sono dos justos... a ele ainda o oiço, com o papá, de volta da história ou do Nhaca, que é um braço do pai que ganha vida própria e, de quando em quando, ataca o petiz com cócegas valentes.

(sorriso)

sexta-feira, dezembro 7

E do Natal?


Bom, tenho listas em excel com a malta toda e os presentes que já comprei e o preço e os que faltam assinalados de outra cor e com ideias ou sugestões.
Tudo controlado, portanto.
O marido já está (quase) despachado. Tem umas surpresas valentes, umas caras, outras pechinchas mas tudo muito pensado e com pormenores deliciosos.
Os meninos também já estão encaminhados, mas como quero dar a mesma quantidade aos dois, em número e em valor (sim, sou um bocadinho obsecada com isso), ainda faltam umas quantas ceninhas.
Os avós tendem sempre a ficar pró fim. Efetivamente já têm tudo, não precisam, felizmente, de nada, pensamos sempre na melhor forma de os surpreender. As fotos dos netos são presente obrigatório, ora em album, ora em moldura. Depois uma camisola, uma camisa, um vinho especial. E assim vai indo...
As crianças a quem oferecemos já têm todas presente. Falta embalar alguns. Os adultos, sem serem os avós, ou seja, irmãos e primos, bem espremidinho, é coisa pouca. De um dos lados, optou-se por não trocarmos presentes. O Natal é das e para as crianças e nós, tudo bem! Do outro lado, não há esquisitices e há a certeza de que o que se oferece é recebido com um entusiasmo estonteante, como se de um tesouro se tratasse. E por isso dá muito prazer.

É isto.

olhem lá...


... e os seguidores?
Se tenho tantas centenas (mais que duas é plural... ) de visitas por dia, porque é que não se tornam todos seguidores, pá?!
O 100 é um número redondo!
Vá lá... em jeito de presente de natal para uma mamã rabugenta e em pijama de xadrez encarnado... (sorriso)

Agradecida.


Continuamos nesta semana sem fim, a pontos de ficarmos malucos.
Os miúdos já dormem e do papá, nem sombras!
Depois de vários sms, lá percebemos que não valia a pena esperar por ele para jantar, nos avós, como habitual, e voltámos sem ele.
Eles adormeceram sem o miminho do costume, sem o monstro das cócegas, sem a história habitual...
Vale-nos ser sábado amanhã, e o plano fabuloso: fazer chegar o Natal à nossa Casa Amarela!
De manhã, Árvore de Natal e Presépio! Depois, almoço nos avós e festa de Natal da Escola.
Vai ser animado, prevê-se, o sábado...
Para domingo, já há planos também, mais culturais.
Mas vamos andar coladinhos uns aos outros, tal não são as saudades...

quinta-feira, dezembro 6

Uma neura daquelas...


Eu já disse que esta semana não tem sido fácil...
Começámos a semana no Hospital. Aquela notícia.
Depois, trabalho extra para todos, horas tortas, sair cedo com a criançada, regressar tarde, adiar afazeres domésticos e, também já referi, o caos da Casa Amarela.
Isto não é fácil, já se sabe, mas se a isto tudo juntarmos chuva e trânsito infernal, ohmeusamigos, cheguem-se para lá!!!....
Duas horas.
Duas horas desde que saí do escritório até chegar a casa, com a família reunida. Fui buscar o marido ao coração da cidade, quase, quase na Baixa Lisboeta. Eu que trabalho nas Amoreiras, numa pontinha de Lisboa, rumei lá mesmo ao centro, debaixo de chuva torrencial e, num pára-arranca diabólico, lá fisguei o primeiro. A seguir, toma lá mais uma hora e meia dentro do bolide para levantar as crianças na outra ponta. Chegámos a casa, sempre debaixo de chuva, com uma a dormir e tudo por fazer.
Banhos, jantar, loiça, histórias, óó.
Um horror, portanto.
Tudo a correr e a mil à hora.
Again...
Estou, por isso, com uma neura do tamanho de um camião, birrenta que só eu, e a pontos de me enfiar debaixo do edredão para não fazer mais estragos.

Odeio sentir-me assim.
Como dizia a senhorita Scarlett O'Hara, "Tomorrow is another day...".
Assim seja.
Amén.

(suspiro)


E hoje é dia de mais uma hora de almoço de loucos!
Manicura e pedicura e mais uns afazeres inadiáveis.
E almoçar?
Pois... fica para depois que vozes mais altas se levantam!

quarta-feira, dezembro 5


E como isto é tudo uma questão de organização, quero cá saber de fazer mais nada hoje, vou estender-me no sofá, de mantinha nas pernas, ver a novela e esperar o meu Amor que foi jogar à bola, que, para ele, é das melhores coisas do mundo! sorriso)





Cá coisas...


Tenho andado a mil.
Essa é que é a verdade.
Acho que desde o Verão que ano a mil à hora, mas mal me apercebo...
A Casa Amarela não há meio de se organizar: as obras paradas, o empreiteiro sem tempo, muita coisa fora do sítio, planos adiados, a miúda a dormir no nosso quarto, decorações na cabeça (tantas!), um esforço tremendo por ter a roupa em dia, ora lava, ora estende, ora separa, ora arruma nas gavetas, ora dobra para passar (valha-nos não ser euzinha a fazê-lo... bufff!), as semanas voam, daqui a nada é Natal outra vez, e depois vamos de férias, e depois é o fim do ano, e não tarda já é Páscoa e Primavera...
Isto para dizer que ainda me custa cruzar com pessoas que, para além de desdizerem constantemente a vida que têm, seja ela assim ou assada, não se contentam, nunca, andam tristes, cabisbaixas, de mal com tudo e com todos, sem planos, sem vida... e custa-me ter que repetir a mesma ladaínha de sempre, se não fores tu mais ninguém vive a vida por ti, não nos devemos preocupar demasiado porque isto corre a mil e depois olhas para trás e não tens nada para relembrar e uma vida sem lembranças, sem histórias para contar, serve de pouco...

Mas isto sou eu, que qualquer dia escrevo mas é um livro, tal não é a quantidade de histórias que trago na mala...

Querida Teresa Martins;


Então viu-me no Hospital e não veio falar comigo porquê???
Eu teria ficado muito contente!!
É muito bom conhecer as caras com quem se "fala" diariamente, não acha?

(sorriso)

Malabarismos de uma dona de casa que se preze!


Acabei de conseguir enfiar o Rossio na Rua da Betesga. Sério!
Previsão de chuva para amanhã. Uma máquina de roupa estendida no jardim, húmida. Outra por estender enfiada na máquina. E agora? Toca a enfiar (quase) tudo no estendal in door, na casa de banho piquena.

Isto só visto!


Esta semana, só porque sim, temos agendas do caneco!
Dom Papá sai de casa ainda de noite e chega muito depois do sol se pôr.
Aqui a mamã, pois claro, tem que ir deixar os pintaínhos de manhã, ora uma, ora outro, e seguir a sua vidinha, e, por isso, acordar meia hora mais cedo.
Há roupa dobrada para guardar nas gavetas desde domingo à noite... pus a máquina a lavar ontem à noite e, cheira-me, que a roupa só verá a corda lá para sexta ou sábado...

Ai eu...

segunda-feira, dezembro 3


E no mesmo dia em que confirmámos o diagnóstico da nossa Florzinha, e para provar que, de facto, o importante é relativizar, soubémos que um dos nossos melhores amigos e mais próximos, que esperam o segundo filho, têm uma cruz por cima da cabeça até aquela criança nascer. Que todas as ecografias que fizerem serão uma conquista e um passo para a certeza de um final feliz. Mas que também pode não ser tão feliz e para isso terão que estar preparados. E com eles sofremos também.

Hoje não foi um bom dia.

Trimetilaminúria... e outras angústias...


"A análise deu positiva."
Foi com esta frase que a médica nos deu os bons dias logo pela manhã.
Confesso que engoli em seco e que o coração disparou.
Depois... ela foi explicando e a coisa acalmou.
É genético. Trata-se de uma doença rara, que não vai desaparecer nem diminuir ao longo do tempo. Ela vai ter que saber gerir o resto da vida. Há peixes que deve evitar comer, outros que até pode experimentar por serem de rio e que não provocam um cheiro tão forte. Foi uma coisa que ela herdou de ambos os pais, mais filhos que tivéssemos podiam vir a herdar também... não se sabe nem se consegue prever por exames normais. De 6 em 6 meses querem vê-la e analisar os níveis vitamínicos para confirmar que não há carências associadas.
Queriam picar o irmão só porque sim. Para estatística, acha o papá. E a nós também. Esqueçam lá isso. Não há cá estatísticas connosco. Ela tem. Muito bem. Vamos todos saber viver com isso. E há coisas piores. Muito piores.
E foi assim que saímos do consultório e nos deparámos com uma criança na sala de espera, daquelas que só se vêem nos filmes e nos documentários da televisão. Pequenina, talvez com 12 anos ou mais, mas da altura do meu filho de 4 anos. Tinha a pele completamente enrugada e pejada de creme hidratante. As pontas dos dedos não existiam. Estavam cortados. Da doença, suponho. Tinha uns óculos enormes mas com um ar feliz. Feliz a fazer um puzzle. Completamente abstraída daquele hospital e das doenças más.

Porque a dela é uma doença má. A da nossa filha não é.

(suspiro)

domingo, dezembro 2


Amanhã é o dia em que saberemos se o cheiro a peixe da miúda veio para ficar ou não.
Amanhã de manhãzinha rumamos com ela ao Hospital de Santa Maria para saber o que dizem as análises ao sangue que fez há três meses.
Amanhã saberemos...
Depois conto.

Bom dia!!!


E que lindo dia está!
E os meus filhos deixaram-me dormir seguidinho até o sol nascer por isso estou como nova!!!
Venham daí os pinheiros, as cabaninhas e os animais que hoje é dia de fazer Árvores de Natal e Presépios em barda!!!!

sábado, dezembro 1


E este sol maravilhoso que nos veio brindar para o fim de semana?
E o frio que veio com ele!?
Ui, isto é que vai ser casacos e cachecóis....

Neuroma de Morton


É isto.
O nome pomposo é este.
A seca é uma inflamação de um nervo do pé, entre dois dedos, que não se vê, só se sente (e muito!!) e que foi detetado por exames específicos: ecografia às partes moles e ressonância magnética.
Dói que se farta e, como é um nervo, é uma dor nevralgica, ao género da pior dor de dentes... :(
Nos dias maus já nem sei donde vem a dita e chega a doer até ao joelho!
E como é que uma pessoa se consegue abstrair de uma dor no pé!?
Pois. Não consegue.
Anda nisto há anos.
Com as gravidezes passaram as dores porque os ligamentos alargam e a cena passa disfarçada. Depois regressa em força.
Já fiz fisioterapia da mansinha, com luzes e iões e também já fiz da que me fazia chorar, tudo na tentativa de desfazer o maldito.
Nada.
Já levei duas infiltrações de anti-inflamatório para cavalos, mas agora já não posso levar mais.
Rezo a todos os santinhos que tenha ficado por aqui.
A seguir, é faca.
Com direito a anestesia geral e tudo.
Afinal, trata-se de cortar um nervo com ligação direta ao cérebro.
Não é brincadeira.

Há coisas muito piores. Sim, há. Mas isto tem-me dado mesmo muito que fazer... Buff!

quinta-feira, novembro 29

A ben-u-ron...



... é como se aguenta, esta aqui que vos escreve.
Dói comó caraças!!
Estiquei o pernil, descontraí até poder, mas a partir do momento em que senti o spray do gelo e o início da picada, pronto... dorida até mais não, côxa, dormente toda a manhã, até ao joelho, um horror...
E o Sr. Dr. Ortopedista, o que parece Santo por me tirar as malditas dores, diz que não me pode prometer milagres e que os 5 meses sem dói-dói que passaram podem não se repetir desta vez... porque em medicina nada é certo, porque nestas coisas não se podem fazer promessas, porque 100% é coisa que nos médicos não existe. E rebéu-béu...
Aguardemos então.

Fui trabalhar de chauffeur, regressei de chauffeur. Foi a parte agradável da coisa...

Nérvus, minha gente... muitos nérvus!


E aí vou eu levar a pica na patinha.
Ele espera-me, de seringa em punho, no hospital do costume.
É já daqui a uma hora.
É só deixar a pequenada nos seus devidos destinos e rumo com Dom Marido para o corredor da morte.
Ai credo!, dizem vocês.
Ah pois, isso é só porque não sabem o tamanho da dita! É que eu já a conheço de outras cavalgadas, sei do que falo.

Me-do.

quarta-feira, novembro 28

É tudo uma questão de temperaturas...


Tenho cá a impressão que a próxima viagem que fizermos, aquela que ando a planear oferecer-nos no Natal, vai envolver frio.
Muito frio, aliás.
E neve.
Muita neve.
E temperaturas negativas...
Lá romântico, é... o chato é só ter pensado nisso depois ter feito a reserva e já ter largado uns quantos euros a respeito...

Ai eu....



Odeio pessoas de neuras.
Eu cá sou (quase sempre muito) bem disposta, está-me no sangue... irritam-me os que embirram por isto e por aquilo, por tudo e por nada, que falam alto e bom som vezes demais, que não têm paciência para a malta de palmo e meio...
Aborrece-me, pronto!
E depois penso naqueles que não têm filhos e que, por isso, sofrem... nos que têm filhos doentes, tragédias mesmo, vidas desfeitas por acidentes, essas coisas que nos fazem pensar na vida... e ainda me enfurece mais, a malta que não dá o devido valor ao que de melhor a vida tem.

Irra, gentinha... buff!


Se não apanhei uma gripe pelos 20 minutos que levei, agora mesmo, a estender a roupa, lá fora, armada em chica-esperta, de camisinha e sem mais, já não adoeço mais este Outono-Inverno.
Aposto.

terça-feira, novembro 27


Tenho tanto sono que acho que vou subir as escadas de gatas e, sem qualquer esforço, ignorar o ambiente frio e nada aconchegante da casa de banho em obras...

Beatriz Costa mode


Fartinha de todos os dias Dom Cabelo acordar com vida própria, rumei ao cabeleireiro à hora do almoço e disse as palavras mágicas: "Pode cortar... a franja... sem medos..."
E ela cortou.
E cortou.
E cortou.
E agora, só de me ver nos reflexos das janelas e no espelho, começo a cantar: "Ai chega, chega, chega, chega a minha agulha... "

(sorriso)

No escritório, falavam comigo a olhar para a franja, não nos olhos.
Uma animação, portanto!
Amanhã é que vamos ver. The day after. Sempre importante...

Ai eu...

segunda-feira, novembro 26


E agora vou escolher as fotos do batizado da miúda!
Já passaram mais de 5 meses e nada de fazer o Álbum.
E sim, sim, é segunda filha mas tem os Álbuns todos em dia, tal como o irmão.
É tudo uma questão de organização.

E dá-me vontade é de chorar, pensar em organização e olhar para a minha Casa Amarela.... (suspiro)

Hoje passei o dia a estudar.
A fazer apontamentos e uma ou outra cábula para verificação rápida em momento de aperto.
Quando muda uma lei com a qual trabalhamos todos os dias, a coisa não é fácil... por isso hoje estudei e muito!
E amanhã é para continuar.
Porque as coisas lá no escritório correm bem e não há lugar a erros ou imprecisões.
O país anda para trás, e nós, por lá, andamos para a frente.
Porque para a frente é que é o caminho.

domingo, novembro 25

Como pairam as modas por aqui...


Até que enfim que arranjei um momento para me sentar aqui em frente...

Foi uma semana dos diabos: com doenças cá por casa, muito trabalho no escritório, com poucas forças minhas (é verdade que as maleitas que os miúdos recuperam de um dia para o outro, a nós, adultos, maçam e muito!!), a obra cá de casa que não há meio de andar, o tempo frio e chuvoso, enfim... nada de extraordinário, mas que me faz ter as prioridades muito bem definidas e, escrever no blog, passa lá para o fim. É verdade.
E então de maneiras que ontem almoçámos uma Sopa de Cação alentejana em casa dos avós, depois fomos às compras com os meninos debaixo de chuva só para ele ir de chapéu de chuva aberto, porque nunca foi, e porque isso é que é divertido.... e depois viémos para casa, acendemos a lareira, o papá atirou-se a uma parede que era suposto não estar ali e passar não sei para onde, D. Flor fez o óó dos justos e eu e o Sr. Piolho brincámos com tudo o que naquele quarto dá para brincar. Entre ontem e hoje, a ouvir a chuva lá fora, não houve puzzle, jogo ou quebra-cabeças que nos falhasse! Tudo! Aproveitámos e arrumámos, limpámos e organizámos.
Hoje, ao acordar outra vez a ouvir o vento e a chuva lá fora, toma lá mais uma manhã inteira em pijama e pantufas, sopa fresca a fumegar, e organizar os planos para a tarde. Desta feita rumámos ao Pavilhão do Conhecimento, que aconselho vivamente, ver a Exposição dos Dinossauros que vieram de Londres e mais umas quantas exposições que por lá pairam, mas o auge da tarde foi passar uma hora na sala das experiências científicas onde o miúdo andou como na Lua, construiu uma casa, prendeu-se a uma parede com um fato de velcro e brincou com blocos de lego gigante! Muito bom! E melhor ainda quando se cruzou com a melhor amiga lá da escola!
Agora a lareira já está a bombar, prepara-se o banho, já cheira a jantar de forno e arranjam-se as mochilas para mais uma semana.
E assim de repente, de hoje a um mês é Natal!

(sorriso)

quarta-feira, novembro 21

Reminder:


Amanhã não me posso esquecer de marcar a pica do pé.

(suspiro)


E de repente, toma lá outra seguidora!
Ena, ena!

(sorriso)

Estado das coisas cá no sítio:


Melhores.
Ainda não a 100% porque eu me sinto fraquinha, fraquinha, embora já não haja os habituais convívios com a retrete desde ontem de manhã, mas não tenho força para nada e subo umas escadas e fico de bofes de fora e não tenho especial apetite, o que também não é normal.
O Sr. Piolho, que foi quem pegou à mamã e agora à avó (ai, a avó...) ainda não está totalmente recomposto e os intestinos, dia sim, dia não, fazem das deles.
Ultra levur para cima e cá vai disto.
E a miúda? A miúda também já vomitou mas foi só uma vez. Não tem muita vontade de comer, o que nela, convenhamos, também não é natural.
Resta D. Papá que, até ver, está só constipado. Muito constipado e há mais de uma semana, mas não há vómitos nem cócó mole.
Antes assim.

terça-feira, novembro 20

A mamã está doente...


É verdade, aqui a mamã está de cama, com direito a falta ao trabalho e tuditudo.
Toda a Santa Noite isto parecia o Exorcista: vomitei tudo o que tinha e o que não tinha nestas entranhas e, tendo em conta que não jantei porque já me sentia assim a atirar pró indisposta, o almoço veio dar as caras umas 5 vezes! E toma lá mais hamburguer, e agora toma lá as batatas, e depois, olha, o kiwi, mais o chá da noite e mais espuma e o catano!
Um amor de se ver, portanto!
E assim foi: papá a despachar a criançada pela manhã enquanto eu me arrastava para mais um convívio com Sodona Retrete, e o resto do dia num dormitar de quem está em baixo de forma.
É assim que me sinto: em baixo de forma.
A avó diz que é o tal vírus que a pequenada apanha nas escolas. E que quer é sopas e descanso.
Pois que amanhã é dia de bulir a sério e não vai haver vírus que me safe.
Tenho mesmo que ir porque há momentos em que somos insubstituíveis. Que mais não seja para não ter que adiar uma escritura em que estão envolvidas muuuuitas pessoas, que vêm de longe, de muito longe, e era tudo uma maçada...

Agora vou enroscar-me no sofá até virem os meus amores mais pequeninos dar miminhos com aquelas mãozinhas lindas!

domingo, novembro 18

E o teu pé, Teresa?


Nova pica. Nada de novo.
Mas será a última.
Diz o Senhor Dr. que não dá mais do que duas infiltrações porque aquilo tem cortisona e é muito forte e blá blá blá e mi mi mi e que a seguir corta.
E eu, tudo bem.
Já estou a até mentalizada para andar de moletas uns tempos...

Ai eu...


Adoro estes domingos de sol, em que acordo com os passinhos dele a caminho da casa de banho, me levanto pé ante pé, faço de conta que apanho o maior susto do dia por nos cruzarmos e depois tomamos os dois o pequeno almoço enfiados dentro da caminha dele, a ver o panda e com o Sol a entrar pela janela.
A miúda e D. Papá dormem ferrados.
Adoro.

sexta-feira, novembro 16


Aí vou eu para a consulta da patinha.
Uma aposta em como vou ter que repetir exames para confirmar que o dito ainda lá vive?
O quisto, a inflamação, para os menos atentos...

Ai a minha vida... buff!

quarta-feira, novembro 14

95 Seguidores?!


Tenho para mim que chego aos 100 antes do Natal!


Neste preciso momento estão 8 pessoas a ler aqui o meu estaminé directamente dos Estados Unidos da América?
Ena!


Bom, como o mais velho foi jogar à bola e os miúdos já dormem há uma hora, os meus olhos chegam a arder com o sono, a lida está feita e a máquina da loiça a bombar, hoje vou ver a Gabriela na cama, quentinha.
Até amanhã se Deus quiser.
Sonho com uma noite mais sossegada.
A ver vamos...


Natal 2012


Já começámos as compras de Natal.
Este ano despachei a criançada toda primeiro, sem contar com os de casa, e pela primeira vez, não comprei brinquedos. Só coisas úteis, a maioria de vestir. Chego á conclusão que é mais certo e acaba por ficar, até, mais barato.
Já quase não se consegue entrar no escritório, tal não é a pilha de sacos com embrulhos.
É verdade!
É mesmo muita gente!
Adoro isto, ainda assim.
E já estou mas é desejosa de fazer a Árvore e o Presépio! Se bem que, com os nossos petizes, a coisa é capaz de não durar muito tempo inteira...

(ehehhehe)

Estado das coisas aqui pelo Sítio:


Ora bem, por partes...
A miudagem está toda adoentada: ele arraçado de exorcista, vomitava em jacto cada vez que bebia leite. Isto ontem. Hoje asilou em casa da avó, feliz da vidinha, a recordar velhos tempos e, parece-me, já está rijo que nem pêro!
Ela, com uma carraspana daquelas como gente grande, com direito a olhos lacrimejantes, tosse a toda a hora, ranhito a cair e um humor dos diabos.
E as noites?
Pois.
É melhor nem referir.
Se não tivéssemos duas noites de stock, armazenadas por terras londrinas, eu queria ver como é que andávamos a trabalhar, com estas noites maravilhosas que temos tido.
Por falar em trabalho, na segunda-feira entrou em vigor a nova Lei do Arrendamento e aqui a mamã tem feito pouco mais se não estudar.
As diferenças não são assim tantas, mas tenho que saber os pormenores na ponta da língua, o que ainda se revela longe de acontecer, principalmente tendo em conta que o nível de concentração que uma pessoa tem com poucas horas de sono é o que se sabe... (suspiro)
De resto, as obras cá andam, a passo de caracol, e já nos habituámos ao caos em que vivemos: móvel das toalhas de banho encostado à mesa da casa de jantar, cestos de medicamentos empilhados por cima da cómoda no quarto do Sr. Piolho, materiais de construção espalhados por toda a casa.
Enfim...
O meu pé, sim, esse mesmo, voltou a dar sinal.
É verdade.
Como não estou para isto, já marquei consulta e na sexta-feira, logo pela fresquinha, lá vou queixar-me ao Dr. que a pica foi muito boa, sim senhor, mas que o efeito só durou 5 meses. E que assim não vale. Se é para ir à faca e cortar o mal pela raíz, então vá, vamos embora!
Caramba...

terça-feira, novembro 13

Presentes surpresa


Já disse que adorei os brincos?
Não estava à espera, por isso ainda fiquei mais fascinada.
Tínhamos gasto bastante na viagem e no espetáculo, por isso quando ele hoje se chegou ao pé de mim com aquele pacotinho azul celeste e vi o conteúdo, até se me tremeram as pernas.
Temos as nossas discussões, que sim, temos, mas estes momentos, realmente, valem ouro.
Acho que hoje vou dormir de brincos e sorriso parvo postos.

São lindos!!!

Londres!!


É maravilhosa!
Foi a minha terceira visita e consegue sempre surpreender-me e deslumbrar-me!
Céu cinzento, um frio dos diabos, o hotel que não era o que esperávamos, mas ainda assim, voltou a conquistar-me...
Na sexta à noite fizémos um passeio a pé: Tour of Jack the Ripper!
Isso mesmo!
Uma hora e meia de converseta com uma senhora que, by foot, nos explicou detalhadamente os assassinatos das cinco prostitutas londrinas.
Aqui foi uma, ali na esquina foi onde a segunda foi vista pela segunda vez, neste prédio existia a albergaria onde a quarta rapariga dormiu a última noite antes de ser encontrada esventrada, ali naquela rua, entre a igreja e aquele jardim foram os últimos momentos da quinta mulher a ser morta às mãos do primeiro serial killer conhecido.
Bebemos um copo no Soho, o bairro mais animado e concorrido da cidade, com bares para todos os gostos.
Muita gente jovem e bonita pelas ruas, by night e durante o dia.
Turistas aos milhares mas nunca ouvimos falar português.
Já não me lembrava da organização daquela gente.
No metro, é vê-los todos do lado direito da escada rolante.
Não há choques!
Quem tem pressa, sobe pela esquerda e já está!
Na rua, uns para um lado e os outros para o outro.
Ninguém atropela ninguém.
Parecem robots.
As montras e as ruas enfeitadas para o Natal.
Os Grandes Armazéns fazem as delícias de qualque um.
Um passeio de bicicleta em pleno Hyde Park.
Refeições em restaurantes indicados fizeram com que não apanhássemos o chamado "barrete inglês".
Passeios à beira rio.
A roda panorâmica.
Os mercados.
Os bairros tão tipicos.
O chá das cinco.
Três dias em cheio.

Mind the gap!
(sorriso)


Ao telefone, a caminho do aeroporto, 2h (apenas) antes do vôo:


- "Então pronto, eu vou buscar-vos ao aeroporto, às sete e um quarto.
- Não é às sete e um quarto, é às sete e meia...
- Olha que eu estou aqui a ver no site e o único vôo que chega a Lisboa por esse aeroporto é às sete e um quarto!
- Mas não é esse aeroporto, é o outro! Bom... nós vamos verificar, já falamos..."

A partir deste momento, tiveram lugar as duas horas mais longas e stressantes da minha vida!
E agora???
Uns ingleses no banco do lado, de Iphone em punho, there's one way: saem na próxima estação, o combóio que vos levará ao outro aeroporto passa nessa estação dois minutos depois.
Passam a ponte, não terão tempo para comprar bilhete, corram quando lá chegarem e pode ser que consigam, mas vão precisar de sorte!...
E assim foi, saímos a correr, corremos pela ponte aérea, não comprámos bilhete, o outro combóio passou 2 minutos depois, e levou uma hora e meia a chegar ao destino: o aeroporto onde o nosso vôo nos traria de volta a casa.
Faltava meia hora para o avião levantar vôo.
De Cartão de Embarque em punho, a corrida prosseguia.
Em Londres, à saída do metro e do combóio, existem torniquetes onde se fazem passar os bilhetes comprados que correspondem à viagem anterior.
Depois de uma corrida veloz à saída do combóio, os torniquetes, obviamente, não abriram porque os nossos bilhetes não correspondiam à viagem que havíamos feito.
"Excuse me... trocámos de combóio... não temos tempo... vamos perder o avião... please..."
E o Mister-Pica-do-Aeroporto-à-saída-do-combóio abriu os nossos torniquetes.
Gente boa, ele...
Mais uma corrida e segundos antes das portas do shuttle fecharem, entrámos.
Claro que o nosso terminal era o mais a norte possível.
A Lei de Murphy em bicos dos pés. Típico...
A seguir, mais uma corrida. Com duas malas e um saco de compras.
Fila para as apalpadelas.
Mais essa...
"Our plane is about to take off... would you please...?" e lá nos deixaram passar à frente da malta toda.
Aqui a mamã, toca a despir, para acelerar a coisa: botas, cinto, brincos.
Passei.
Não apitou.
Boa!
O papá foi apalpado até mais não, e agora tira moedas dos bolsos, e a seguir descalça os sapatos, agora acho que tem qualquer coisa no pescoço, ai não, deve ser do relógio...
Uma senhora de cabelo azul avisou-me "They're taking your bag!"
E eu, descalça e de meias às bolinhas, atrás da senhora agente, "Is there any problem with my bag?"
Um doce. Uma porcaria de um frasco de doce que comprámos para oferecer e que, claro, não podia ir.
E não foi.
"Deixe, deixe. You can keep it!"
E agora, para além das duas malas e do saco remexido, casacos, cinto, telemóveis, tudo pendurado e nova corrida.
E os minutos a passar.
E o Gate era o último, depois de muitas escadas e passadeiras rolantes.
Escorríamos suor!
Dois minutos antes da hora, finalmente, chegámos.
Fomos as últimas duas pessoas a entrar no avião.
Mas entrámos.
E chegámos para abraçar os nossos amores.
Exaustos.
Mortos.
Mas a tempo!

Ufa!


segunda-feira, novembro 12

5 anos... no sábado, festejados a dois.



O meu presente foi, em conjunto com o de aniversário, a viagem a Londres e o bilhete para assistirmos ao Musical "We will rock you", dos Queen.

O dele, uns brincos.
Maravilhosos.
Ainda nem estou em mim...

sexta-feira, novembro 9

Vamos ali num instante cumprimentar Sua Majestade e já voltamos...


Até Domingo se Deus quiser.

Não é para o ano que deixamos de ter liquidez no fim do mês?
Então vá, é agora ou nunca!!!

(sorriso)

quinta-feira, novembro 8


Hoje vou iniciar uma busca por um cabeleireiro que faça alisamentos.
Não me interessa se são escovas progressivas, se são a laser, a quente ou a frio.
Vou pesquisar até mais não.
Preço e duração do trabalho, são os fatores a considerar.
Nem me interessa muito se dura 2 ou 4 meses, até porque o meu cabelo demora horrores a crescer, por isso... manter-me sentada e sossegada um par de horas numa cadeira de cabeleireiro é que é coisa para me pôr os nervos à flor da pele...
E não, não tenho carapinha.
Estou é um bocado farta de andar despenteada...

quarta-feira, novembro 7


Bom, vou atirar-me a um iogurte natural com doce de tomate que há muito não me delicio com um.
Porque eu mereço.

Gabriela


Coitadinha da Lindinalva... :(

Mini-mini-férias a dois!


As malas deles estão feitas. Cuidadosamente escolhidos os conjuntos, os pijamas, as meias do óó. Uma mala azul bebé e uma mala cor de rosa com mémés...
Desta vez estou muito descontraída.
Não há cá problemas parvos de consciência (ainda mais parva) por deixar as crias com as avós, que eles adoram e que igualmente desejam tê-los por dois dias só para eles...
Agora as viagens acalmam, que este ano já temos o chamado "dito" cheio delas, caramba!
Se bem que, parece-me a mim, pró ano não vai haver como viajar, pelo que, é aproveitar, minha gente, é aproveitar!!!

terça-feira, novembro 6

Primarkar


Rendeu, minha gente!
Rendeu!
Um vestido, vários pares de collants opacos, meias pequenas, meias até ao joelho, mais uns pijamas para oferecer, uma camisa de noite para a avó.
Um show!
E no fim, na hora da dolorosa, toma lá 44 euros e um sorriso nos lábios.
Fiquei fã.
A partir de agora, Primark is my middle name :)

(e isto sou em a entrar em estágio para o fim-de-semana por terras de Sua Majestade...)

segunda-feira, novembro 5

Primark


Há muito pouco tempo descobri o admirável mundo da Primark.
Andava a dormir, definitivamente.
Assim sendo, e depois de fazer as mais maravilhosas de sempre compras de Natal para a criançada que povoa a maioria das minhas listas, amanhã vou lá passar a hora de almoço fechada.
Com duas colegas.
Prevê-se o pior.

Medo.

Estado das coisas...


E os finais de dia?
Ui, os finais de dia... hoje foi dia de birra. Das grandes. Daquelas com direito a bater os pés no chão, a ranho no nariz, choro fingido mas aos berros, no meio da rua, à porta de Casa.
E depois é arrastá-lo até ao banho, respirar fundo muitas, muitas vezes, dar uns gritos aqui e acolá, despachar jantares e deitá-los.
Passa tão rápido, às vezes, este serão... quando eles estão exaustos, do fim-de-semana, até acredito, os serões seguintes voam e não aproveitamos quase nada a presença uns dos outros.
Mais o papá que anda cheio de trabalho, noite e dia, mais o futebol e as obras e ainda vamos de mini-férias no final da semana. Afinal, festejamos anos de casados, caneco!
Mas andamos de tal ordem cansados, todos, que só no avião é que me vou mentalizar que estaremos umas horas valentes a namorar a valer.


Tenho comido tanta, mas tanta castanha este São Martinho, que temo pelos meus intestinos nos próximos tempos.
É só.

domingo, novembro 4

Bom domingo!!


Cheira a bolo no forno, ainda andamos por aqui em pijama, mas hoje temos um almoço programado há meses!
Com os amigos da farra e do nosso coração...

Quero lá saber da chuva! Tenho umas galochas para estrear! :)

sábado, novembro 3


Almoços, lanches, almoços, aí vamos nós para um fim de semana chuvoso onde se estaria bem em Casa, mas que fora se estará ainda melhor...

quinta-feira, novembro 1

Até os miúdos se sentam onde calha, mesmo que seja em cima do futuro chão... :)





Foi um dia bom.
Hoje foi um dia bom.
Por casa, pijama toda a Santa manhã, brincar, jogar, cheirar o outono aqui na Casa Amarela.
Pela tarde, e porque as tradições ainda são como antes, lanchámos em casa de um dos avós, com tios e primos, a festejar o Pão por Deus, com pequenos presentes para as gentes de palmo e meio.
Mesmo o caos que se vive por aqui não me tem afetado grandemente...

quarta-feira, outubro 31

Nascido em 1986


Hoje chegou-me, como aliás me chegam todos os dias, uma proposta para um Contrato de Arrendamento, com os correspondentes documentos de identificação dos futuros inquilinos e do seu fiador.
Eu vejo sempre com muita atenção aqueles documentos e acabo por encontrar pormenores engraçados. Ou não.
Hoje reparei na cara, no Cartão de Cidadão, do fiador previsto para aquele contrato que, nascido em 1986, tinha cara de ter menos de 15 anos.
Ora bem, então se é fiador, tem que ter uns rendimentos bonzitos, ou então a proposta nem sequer me tinha chegado.
Ora deixa cá ver então... e não é que o miúdo, sim, porque era nitidamente um miúdo de 28 anos, com cara de quem vai prós copos todas as noites e que tem namoradas em fila, porque até tinha o chamado "bom ar"...

... é juíz em Moimenta da Beira?!

Pois.

Eu não tenho nada contra Moimenta da Beira e até acredito que os processos sejam despachados mais depressa do que no Citius aqui em Lisboa, mas aquele menino, com ar de quem mal saiu dos coeiros, não impõe o respeito que um juíz tem que impor. Aquele rapaz acabou o curso e ingressou diretamente no CEJ para a formação de juízes e hoje ganha uma quantia, digamos, pornográfica de ordenado e é fiador dos pais no contrato de arrendamento de um apartamento em Matosinhos.

Sim senhores... é isto.
Chovam daí esses comentários, que eu sou uma isto e uma aquilo porque agora já não se pode ganhar bem só porque se tem 28 anos, vá lá a ver...


Só agora sosseguei das tarefas-ao-serão e vai começar a Gabriela.
Pode ser que tenha pachorra para cá vir após...

segunda-feira, outubro 29

É tudo uma questão de prioridades


Foi um fim de semana de festas: festa sábado, festa domingo. De familiares e de amigos. Andámos muito no liró, é certo, mas também ficámos por casa, o que fez com que, pela primeira vez desde há muito, comece a semana sem roupa para lavar no cesto. Incrível. Tenho a roupinha toda em dia, ora nas gavetas, ora no cestinho para sodona Nice passar a ferro. Podem chover pedras, que cá para mim já não me arrelia.

São estas, as preocupações da minha vida!
Boa semana, minha gente!


domingo, outubro 28

Vasco, 4 anos, no seu melhor:


Mãe, tu afinal não calças 37! Calças 13!
13? Porque é que dizes isso?
Porque os teus chinelos são "M"!


... Duh!...

(chegaram lá!?)

A hora mudou, por isso dormimos mais uma hora!


Sim, sim, pois claro... então não!?
Estou aqui a inventar brincadeiras desde as 8h da manhã, bem esticadinhas, porque desde as 7h que há barulho cá em casa.

Há cestos espalhados pela sala porque é uma das formas de os entreter é mostrar brinquedos com os quais não brincam há muito tempo...

Quem inventou esta história da mudança da hora não devia ter filhos pequenos...

sexta-feira, outubro 26


Olha, olha, assim do pé prá mão, toma lá mais 3 seguidores!!
Sejam muito bem-vindos, aqui ao meu Lar!

Estado das coisas aqui no sítio:



Isto é a casa de banho vista do lado de fora, donde vai ser o quarto novo do Sr. Piolho.


Isto é o quarto do miúdo, visto da casa de banho.
Ontem foram tiradas 52 sacas de entulho, só das duas paredes que existiam na casa de banho.
Próximo passo, começar a colocação do chão.

Está bonito, está... (suspiiiiiro)

quarta-feira, outubro 24

Seguidores


89?
São muitos, realmente!
Nem nunca pensei que tantas pessoas viessem aqui ler o que escrevinho, mas, já agora, e se chegássemos aos 90?

Epá, não... prémio não tenho! (sorriso)


'Bora lá mas é relaxar a ver a Gabriela porque hoje é dia de massacre em casa do dentista... ui...

E quando se pensa que a coisa não pode piorar...


... entramos em casa e a casa de banho do primeira andar, a nossa, a que todos usamos e pela qual temos aquele especial carinho... não tem duas paredes!
Nem quando vieram instalar os ares condicionados todos ao mesmo tempo e andaram a escavacar ora dentro, ora fora, isto ficou como está agora!

Tenho que respirar muitas vezes fundo para não perder a paciência e ter um ataque!
Mas sei que não adianta.
Não dá para adiar mais e a palavra entulho é palavra de ordem na Casa Amarela.
Onde era só a casa de banho, agora é um espaço aberto, enorme, pode-se dizer, onde daqui a uns tempos, poucos, espera-se, dará lugar a uma nova casa de banho, um corredor e um quarto.
Agora imaginem toda a parafernália de coisas que, inevitavelmente, se acumulam numa casa da banho, espalhadas por toda uma casa... armários na casa de jantar, espelhos no quarto do casal, cesto da roupa suja, papel higiénico e alguidares no quarto do miúdo...


suspiro......................


Vim almoçar a casa.
Uma vez por semana faço isto para ter menos que arrumar ao fim do dia, com eles agarrados às minhas pernas.
Ligo sempre a televisão, na maioria das vezes sem sequer reparar no que é que está a dar.
Hoje lá fiz uma busca e, entre telejornais com crises, déficits, impostos e afins, acabei por optar por ver, pela enésima vez, um bocadinho do Cocktail.
O Tom Coiso era mesmo novinho, bolas... devia cheirar a halibut!....

Ehehehhehe

Era só. Agora vou fazer camas...

terça-feira, outubro 23

Oh Sr. São Pedro, organize-se lá faxavor!...


Hoje estiveram 25 graus em Lisboa.
Andámos todos de manga curta, mas as meninas vestiram collants. Eu porque não tenho a depilação em dia. Ela para eu não ter que ouvir a avó.
Amanhã estão previstas tempestades.

Em que é que ficamos, pá!?

A minha filha tem 14 meses e já brinca aos pais e aos filhos. Toda despachada, foi buscar o bebé-chorão e uma fralda das dela, pois claro, e deu-ma para que pusesse ao boneco.

Inacreditável!

Desilusões


Eu sou uma pessoa ingénua.
É assim mesmo. Ingénua.
Não interessa a idade. Quando se nasce ingénua, é-se ingénua até morrer.
Isto para dizer que, de quando em vez, apanho uma desilusão.
Porque acho que as pessoas são todas como eu.
E há atitudes que me deixam bem tristes e que me parecem impossíveis de acreditar.
Na semana passada apanhei uma dessas desilusões. Com alguém com quem lido de perto todos os dias.
Mas nada mudou.
Continuo a lidar.
Que remédio...
Mas é inevitável olhar duas vezes.
E respirar fundo muitas vezes durante o dia e pensar que é mesmo assim, as pessoas são todas diferentes e conseguem dormir descansadas, mesmo com atitudes daquelas... menos boas.

(suspiro)

segunda-feira, outubro 22


Eu vou masé dormir para não me atirar aos iogurtes com geleia de marmelo, já que o doce de tomate acabou...

Jeans com copas na bunda???


Mas anda tudo maluco???
Já não sabem mesmo o que é que hão-de inventar... ai eu...

Das obras


Temos menos uma parede e meia na casa de banho.
Os cestos dos medicamentos estão em cima da bancada, tapados com um lençol de banho, para não ficar tudo com pó de tijolo.
Temos que lavar a banheira ao fim do dia antes de enfiar lá dentro os miúdos, sob pena de ficarem mais sujos do que antes de entrarem.
A toalha das mãos só serve de manhã para lavar as caras. Ao longo do dia vai escurecendo e no fim do dia ruma diretamente para o cesto da roupa (bem) suja.
A máquina está a bombar a ver se aproveito o solaço previsto para amanhã (25 graus????) porque para o resto da semana está prevista chuva e mais chuva...


É oficial:


Abrimos a época natalícia por aqui!
Em outubro?
Pois sim, para aproveitar uma promoção de brinquedos de um supermercado conhecido.
Sim senhor que este Natal os presentes serão menores, mas em quantidade, os mesmos.
Todos comentam que é maluquice pensar que se vai oferecer tal como nos anos anteriores, e que aos filhos dos amigos não se deve dar e isto e aquilo... pois lá na Casa Amarela o Pai Natal vai deixar os presentes para os mesmos meninos e meninos de sempre. Se calhar em menor quantidade e coisinhas mais simples, mas há-de haver gracinhas para todos! Por todos os motivos e mais um: porque o Natal é das crianças, porque eles merecem, porque também oferecem aos meus filhos e porque eu ADORO dar presentes!


domingo, outubro 21


Andamos por aqui em pijama e pantufas, eu a (tentar) dobrar roupa e eles a ajudar e, ao mesmo tempo, a fazerem um puzzle e a ver desenhos animados.
Chove lá fora.
O papá dorme.

Adoro estas manhãs de domingo.

quinta-feira, outubro 18

Estado das coisas:


Temos a nossa Casa Amarela de pantanas.
O caos.
Iniciámos em grande as obras do quarto novo e da casa de banho.
Como é Dom Papá que, literalmente, põe a mão na massa, isto dura e dura e dura e a miúda, obviamente, ainda dorme no nosso quarto.
Lá para o final do inverno fica tudo pronto.
Suspiro...
Agora é escolher as portas, o chão, os focos.
Há cestos e cestinhos por todo o lado, os casacos rumaram ao escritório porque o armário gigante da casa de banho já lá não está. Já era. E vá lá que conseguimos tomar banho porque a banheira ficará quietinha no mesmo sítio.
Bom, é ter toneladas de paciência a partir de agora e esquecer grandes arrumações.

E as análises da miúda?
Só no início de Dezembro. Deixámos a consulta marcada e só nessa altura é que saberemos.

Os turistas africano-arábes já regressaram e vieram felizes da vida! Chegaram um dia mais cedo, fizeram surpresa e no sábado haverá almoço de família para ouvirmos as histórias que eles trazem para contar. E os presentes. Ui...

Dar sangue


Hoje fiz uma coisa da qual muito me orgulho: tornei-me dadora de sangue.
Há muito tempo que o queria fazer, mas por isto por aquilo, fui adiando.
Depois engravidei outra vez, e depois era porque ainda dava de mamar mas hoje foi o dia.
Instituto de Oncologia de Lisboa.
Aí fui eu. E mais uma amiga.
Almocei primeiro, ora pois, e pus-me ao caminho.
À chegada, um friozinho no estômago.
Ao entrar naquele grande hospital tive receio do que pudesse encontrar pelos corredores, de ver crianças sem cabelo, de ver aquilo que todos tememos... nada. Não vi nada.
Lá encontrámos o sítio. Uma enfermeira em frente ao computador, ia chamando para nos inscrevermos. Respondemos ao inquérito da praxe, idade, peso, estado de saúde no geral, se temos actividade sexual perigosa, de mudámos de parceiro sexual nos últimos meses, se temos ou tivémos alguma doença sexualmente transmissível, se fomos operados há menos de um ano, se temos mais de 18 anos... depois, consulta com uma médica. Em gabinete fechado. As mesmas perguntas. Quantas gravidezes, quantos filhos, profissão, medir a tensão. A minha colega chumbou aqui e, por ter a tensão baixa, não pôde dar sangue. Eu passei mas tive que aguardar que a digestão do arroz de pato passasse. Há um risco muito grande, tirar sangue a meio da digestão, sabe? Disse-me a médica, muito séria. E eu, tudo bem, esperemos então até fazer as duas horas da ordem.
Agora deite-se aqui. Quer um cafézinho? quero, pois, a ver se não me dá para aqui nenhum chilique como, aliás, é costume...
Portei-me tão bem, senhores! Tão bem! Não doeu (quase nada) espetar a mega-agulha (epá, nem me quero lembrar do tamanho da bicha!!!...) e durante 10 minutos foi sempre a bombar. E tomem lá 450g de sangue. E façam com ele o que bem entenderem.
E medula? Também quer ser dadora de medula?
Que raio de pergunta! É óbvio que quero! O que é que estou aqui deitada a fazer se não puder salvar vidas e ajudar quem precisa?! Já que aqui estou, oh faxavor, é para tudo.

E pronto.

E pronto o escambáu!
Mal me levantei, sente-se bem?, sim, sim, ....ui... cabeça à roda, ai que aqui me fico, vamos mas é embora.... emborquei um pacote de açucar inteirinho e a chuvinha que apanhei até ao carro não me deixou desmaiar.

Orgulho. Um orgulho enorme é o que sinto. E agora é comer bem e beber muita água nas 24h seguintes.
E daqui a 4 meses estou lá caída outra vez.


Olha, olha, tenho mais um seguidor!
Bem-vindo aqui ao estaminé da mamã!!

Diversos


Ando a 200kms/h.
Tenho roupa para arrumar que apanhei da corda na 2ª feira.
Ainda não organizei os sapatos pós-verão e esta chuva repentina está a enervar-me bastante.
Hoje rendi-me e calcei botas.
O que tem que ser tem tanta força...
A escritura de ontem correu bem, eu entrei muda e saí calada, feita parva, parecia que ia para um exame oral e até uma borbulha se me rebentou na cara!
Hoje há outra, mas o comprador é um borracho! se a notária for das estúpidas, o cenário compensa... (sorriso)
Ainda tudo dorme. Ontem a hora de deitar atrasou uma hora e tal porque foi dia de reunião da escola e jantar em casa dos avós, o que, durante a semana, não é suposto...
Mini-futebol, hoje, debaixo de chuva, não me parece...

E é isto.

Ah, e a minha filha descobriu o mundo maravilhoso dos puns no banho! Eheheheh

terça-feira, outubro 16


Não sei o que é que é pior: se assistir ao telejornal e ouvir aquele rol de desgraças e discussões de orçamento e tal e coiso, se é assistir a este jogo Portugal Irlanda.

Epá, corram!!!!!
Ponham-na lá dentro!!!!

(isto dito assim não me parece nada bem... sorriso)

Uma má manhã é:


Recebermos uma chamada, logo pela fresquinha, daquela notária-de-mal-com-a-vida, mal disposta como só ela, a perguntar-me quem é que vai assinar a escritura de amanhã. Nem sequer tinha pensado no assunto, confesso, e respondi que ia eu. Ouvir do outro lado, secamente, um "já me podia ter avisado, não acha?..."

Vai b'scar.

Segue-se análise pormenorizada e à lupa de todos os documentos que levarei para a dita escritura e dou com um erro, lapso, vá, meu. Enfio-me na minha bomba de quatro rodas, rumo ao instituto público em causa, choramingo por uma correção rápida, ah e tal, a escritura é amanhã e a notária é das chatas, ah e tal, podia fazer o jeito e corrigir aqui mesmo, ah e tal o tanas! Toma lá um novo formulário, arrota com 5 euros e meia hora depois, com o precioso papel na mão devidamente carimbado e pronto, oiço a cházada "Para a próxima mais atenção, doutora..."

Toma lá e embrulha.

Foi bom, isto, hoje. Foi, foi.
Bufff...

segunda-feira, outubro 15


Isto do orçamento e da crise é assunto diário e acredito que em muitas famílias seja mesmo dramático. Não sei mesmo como é que muitos casais vão conseguir viver durante o próximo ano.
Já estou como uma amiga minha, uma das que vai emigrar, que, quando comento com ela que o pior é não se ver luz ao fundo do túnel, porque a vir outro governo há-de ser mais do mesmo, ela me responde: "eu vejo uma luz, sim, bem forte, mas é de um combóio e que vem na nossa direcção..."

É isso mesmo.
(suspiro)

Vivam as Quengas!


Eu entro mesmo no espírito da novela, não há nada a fazer!
Andava aqui nervosa sem saber o que é que ia acontecer à desgraçada da orfã desonrada que ficou sem nada, estava-se mesmo a ver que ia parar ao Bataclã, mas muito bem feita foi a recepção que a Quenga Mor lhe faz, sendo a única, em toda a cidade, que a acolhe, a ela e à criada.

Lindo!
E vivam as Quengas, caneco!

sexta-feira, outubro 12


E depois ponho-me aqui a mastigar o almoço e a ler blogs de empreitada, dou de caras com um deveras emotivo, trágico e real e acabo o almoço a fungar, com o rímel todo borrado e com vontade de ir abraçar os meus piriquitos lindos e saudáveis que Deus me deu....

Ai eu....

E tu tens pachorra de ir almoçar a casa, deixar os lençóis para sodona Nice fazer as camas, pôr a roupa a lavar, aquecer o resto do jantar e fazer sumo de laranja natural?


Epá, sim. Tenho. E sabe-me pela vida!



quinta-feira, outubro 11

Dúvida:


E onde é que eu posso comprar umas sabrinas daquelas normais-mais-normais-não-há sem deixar o coro e o cabelo?

Agradecida.

quarta-feira, outubro 10


E hoje tivémos cá a avó a jantar.
E foi uma animação!
Ela tem uma confiança com os miúdos muito especial, mesmo de quem partilhou tão de perto os primeiros anos de vida. Dos dois. Nem houve birras, nem ouvimos dizer "não gosto" ou "não quero" a nada do jantar e nem no banho se passou nada que me fizesse levantar a voz.
Só gritinhos e gargalhadinhas felizes, a mostrarem as gracinhas todas da rotina do dia-a-dia e que muitas vezes são só gritos e ralhetes...

Só por isso, avô e tio, deixem-se lá estar mais uns tempos que assim ainda convencemos a avó a vir cá mais um dia jantar, sem crises e castigos... (sorriso)


Então mas hoje nunca mais começa a Gabriela??
Mau...

Tal pai tal filho #2


O meu pai e o meu irmão por lá andam, por terras maiorquinas, felizes e contentes, de quando em vez põem fotos no facebook e, se isto fosse há um par de anos atrás, não teríamos as notícias ao dia, quase ao momento, como temos tido.
E é bom sabê-los bem, tão felizes, a partilhar aquelas imagens, de chapéu ao género Indiana Jones, ambos-os-dois (ohmeudeus...) e com muitas histórias na mala...
Estou desejosa que regressem, para a semana, para uma jantarada onde a gargalhada vai estar na ordem do dia... mal posso esperar por ouvir as novelas que contarão, tão ao jeito deles, cheias de gestos e sons que nos transportam diretamente para terras africanas, cheias de calor e cheiros tão característicos...

Saudades...

terça-feira, outubro 9


Continuo a cruzar-me com pessoas que não aprendem nada, nada com o que a vida teima em ensinar-lhes... que raio de coisa!

segunda-feira, outubro 8

Em termos de novidades...


... de facto, não há assim muita coisa para dizer... houve praia por duas vezes, as últimas, por certo, no fim-de-semana-do-feriado-que-vai-acabar, houve limpezas e arrumações, houve descanso e sesta da boa, enfim, nada de novo, portanto.

Hoje é dia de fazer panelão de sopa, estender roupa e escolher umas fotos para imprimir das mil duzentas e quinze que tenho em atraso.

Uma monotonia, esta vidinha feliz!
(sorriso)

Anda tudo muito murcho...


... por aí.
Já lá vai o tempo, em que eu postava uma só fotozita e choviam comentários...
Enfim, mas não vão deixar de ter que levar com a fronha da menina porque se há coisa que eu não vou deixar de fazer, é escrever. Escrever e colar fotos. Boas ou más. É assim. É a vida.

E tenho dito.

sábado, outubro 6

Obrigada, Sr. Outono!...


... pelo maravilhoso dia de praia com que nos brindou ontem e, ao que parece, brindará amanhã!
Ontem todo o santo dia de pé na areia, com intervalo para almoço, mergulhos, jogos de bola, sal na pele, conversa em dia, absolutamente espetacular.
E espetacular é também o dia de hoje, ainda que a manhã tenha sido dedicada a limpezas e arrumações... é inacreditável a velocidade com que a roupa deixa de servir à miudagem e com a mudança de estação, é vê-los, aos cabides, a vagarem para darem lugar às coisas novas, ainda que herdadas...
Por agora os rapazes foram ao teatro, festejar os anos de uma amiguinha da escola do Sr. Piolho e nós, as miúdas, ficámos por casa. Já fomos dar uma voltinha, mas regressámos ao ninho para a sesta da ordem.
Roupa estendida, tapetes, cortinas, almofadas, a dizer olá à nova estação... tudo ao sol, a corar, como se quer.
Agora vou atirar-me a um croissant com queijo porque também mereço!

Sr. Aspirador, foi um prazer, mas por agora é só.

quinta-feira, outubro 4

Tal pai tal filho


O meu pai e o meu irmão foram ontem de férias os dois.
Para onde?
Foram fazer uma espécie de safari, de jipe, portanto, até Marrocos.
Mas não é um jipe qualquer, não senhor!
É um jipe de 1989.
Aaaaahhhh, muito melhor!!!
Sem ar condicionado ou direcção assistida, sem mordomias de air bag ou rádio com CD's ou Blue-não-sei-quantos...
O meu pai tem 65 anos e um espírito de jovem quarentão. Cinquentão, vá, não exageremos!... O mano tem os mais selvagens 27 já vistos.
E lá foram eles, felizes e contentes, com um itenerário que a mim, nem que me pagassem, quanto mais comigo a gastar um chavo que fosse!...
Levavam envelopes com moedas deste e daquele país, com documentos fotocopiados e verdadeiros, com brindes para oferecer em troca, sabe Deus de quê, uns quantos hotéis marcados, máquinas fotográficas e uma energia inacreditável.
A minha mãe diz que vai ficar no sossego, só com a preocupação do almoço da neta, mas a esta hora está a contar os minutos para a próxima sms de actualização... eu cá não penso muito no assunto e tenho a certeza que regressarão cheios de histórias, umas mais macabras que outras, para contar.

Marrocos, não muito obrigada.
Já fui e não gostei.
Não é de todo o meu género ver os vestidos de noiva na montra ao ar livre, paredes meias com as pernas de borrego também penduradas na montra do talho ao relento... buff!...

quarta-feira, outubro 3

E então? Como é que correu?


Correu médio.
Ela, tal como se previa, chorou que nem uma louca desde o momento em que ma tiraram do colo e deitaram na maca, mesmo de mão dada comigo e eu a cantar-lhe ao ouvido, até ao momento em que lhe puseram um pensinho com bonecos no sítio e eu lhe disse "pronto, querida, vamos embora!"
Como tal, sodona histérica (quem, a filha ou a mãe?!) nem sequer intensificou o choro quando a espetaram, tal não era o berreiro. No meio do stress, acredito que nem tenha percebido assim tanto que lhe estavam a sacar 5 (CIN-CO, imaginem!!!) tubinhos de sangue pequenino!...

E a mamã?

Pois... a mamã portou-se como de costume: Mal. Muito mal, aliás.
Era a miúda a chorar para um lado e a mamã a soluçar para o outro... enfim. Nada a fazer. Uma vergonha, mesmo.
Dona Enfermeira, Santa, ela, acertou à primeiríssima vez, mesmo concordando que não é um bracinho fácil porque tem muita carninha.
A miúda estava de tal forma enervada que nem o leitinho quis e adormeceu de imediato. Não almoçou, andou chorosa todo o dia e mostrava o penso em sinal de tragédia.

Eu brinco, mas tragédias são os casos que por lá se vêem, por aqueles corredores da Ala das Doenças Metabólicas... más deformações, problemas sérios de construção, um horror.... e para mim, Rainha do Reino dos Piegas-Mais-Piegas-Não-Há aquilo foi uma tortura.
Eu bem tentava não olhar, mas não houve nada que me afastasse aquelas crianças do pensamento todo o santo dia. Resultado, estou aqui com um camadão de sono que nem vos digo nem vos conto e ganhei uma dor de cabeça do tamanho de um camião.

Pois, é isso mesmo: o caminho é a cama.
Os meus amores mais piquenos já dormem e o outro foi jogar à bola.

É aproveitar. Até amanhã se Deus quiser.
Amen.

Status


Hoje é dia de irmos com a miuda às análises.
Daqui a bocado, aliás.
Por aqui tudo dorme e está escuro lá fora como se ainda fossem 5h da manhã.
Às 5h da manhã eu estava de pé, a preparar um biberão para que a garota não ficasse horas sem fim com o estômago vazio. E ela bebeu. Todo.
Tal como previ, não dormi nada bem. Ansiosa. E se não encontram a veia e espetam para lá a pequena até mais não?... e se isto é tudo em vão e daqui a uns tempos não há cheiro a peixe nenhum e isto foi tudo um exagero?

Ânsias.
Em ânsias é o estado de espírito aqui da mamã...

segunda-feira, outubro 1

Ora então muito boa noite a todos vós!


Por aqui ainda andamos um bocadinho em modo zen-pós-férias-a-dois.
As saudades apertaram muito, cada vez que falávamos com eles ao telefone (quer dizer, com ele, porque ela ficava calada e muito séria, contava a avó...) as lágrimas tendiam a cair, feitas parvas, é duro estar longe dos pintaínhos e tal e coiso, mas foi tããããão bom!...

Muito passeio, muita pizza, muito gelado (ai, os gelados....), muito sossego na mona.

Alugámos uma motinha, como não podia deixar de ser, porque em Roma, sê Romano! O trânsito é o caos, mas D. Papá safou-se, e bem, por entre os malucos, era maluco também, ora pois! Diz ele que cometeu mais infrações em 3 dias do que em não sei quantos anos de carta!

Levámos imensas dicas de malta que já lá tinha ido, pelo que não houve o chamado "barrete" em coisa nenhuma: restaurantes supimpas, para lá de românticos, as melhores-das-melhores geladarias do mundo, circuitos escolhidos a dedo, tudo pensado ao pormenor.

O momento das férias, o auge, foi quando, à saída do restaurante onde jantámos, começámos a ouvir um senhor a tocar no acordeão a valsa italiana com que dançámos no nosso casamento e que com ela abrimos a pista.... um amor!

O regresso foi o piorzinho porque o avião atrasou "só" uma hora e meia e em vez de chegarmos a casa a horas de abraçar a pequenada, já os dois dormiam. Os avós tiveram a feliz ideia de os trazer diretamente para a Casa Amarela e deitá-los nas suas caminhas.
Hoje de manhã a festa foi grande, muito abraço e beijo, presentes e histórias para contar.

Ir é bom, mas regressar é sempre tão melhor....

Prometo mais fotos, mas agora tenho que ir estender a roupa que diz que esta semana o sol anda por aí e é aproveitar, é aproveitar...



quinta-feira, setembro 27


E agora que dizemos "É hoje! É hoje!"
É hoje que os deixamos a dormir nos avós!
É hoje que fazemos as malas e dormimos a correr porque temos que estar a horas impróprias, antes até do sol nascer, no aeroporto!
É hoje que deixamos tudo pronto e mil e vinte recomendações para os nossos amores pequeninos...

... sinto o coração do tamanho de um feijão frade...

Que raio de coisa, pá!

quarta-feira, setembro 26

Status


Fazer 500Kms num só dia já é, por si só, duro.
Com um stress que quase fez com que a escritura não se pudesse celebrar e que me provocou uma dor de cabeça monstra para o resto do dia.
Almoçar para lá de tarde mas maravilhosamente bem (vá lá!!!...) e chegar a casa estafada.
Apanhar o Sr. Piolho num dia mau, podre de sono, mega birra, umas palmadas no banho, deitei-o na cama e antes das sete já dormia.
O meu filho não sabe gerir o sono e esta história da falta de sesta está a pô-lo doido.
Hoje é dia de me deitar com as galinhas.
Assim sendo, até mais ver, minha gente.

Zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz.....

terça-feira, setembro 25

Out of the office...


Amanhã vou bater com os costados a Portalegre.
Vá lá que é perto... ai eu...

segunda-feira, setembro 24

O quê, vão estar 30 graus em Roma!!?!?


Então toma lá os últimos dos últimso saldos da nossa querida Lanidor:




A nossa besuga...


... vai ter que tirar sangue!
Coitadinha de Dona Flor...
A consulta foi isso mesmo, uma consulta onde explicámos muito bem explicadinho o que se passa quando a miúda come peixe e o cheiro e o histórico familiar até aos nossos tetravós.
E ficou marcada para a próxima semana a colheita de sangue, e pior do que a dor que ela possa sentir, terá que ir em jejum! Como é que eu vou manter aquela matulona e esfomeada em jejum até às 9h da manhã!!??!
E a seguir, toma lá nova consulta em Dezembro.
Pois.
É isso.

domingo, setembro 23

E o cheiro a peixe da miúda?


Amanhã é a consulta no Hospital, nos expert's das doenças metabólicas... ou estrambólicas...
A ver vamos.
Depois conto.

Passeios de Domingo


Hoje fomos com os miúdos visitar a Batalha e o seu magnífico Mosteiro. Tivémos imensa sorte porque estva a decorrer uma feira medieval e vimos galinhas, patos, coelhos e uma série de petiscos maravilhosos!
Depois seguimos para Fátima.
Estava uma tarde assim-assim, não dava para grandes aventuras outdoor, mas achámos que podia ser O Dia para lá ir.
E foi.
Pouca gente, aquele ambiente especial que não sei bem caracterizar, mas que me faz sempre emocionar. Os meus olhos enchem-se de lágrimas quando passeio pelo Santuário, ouvem-se os canticos e as pessoas, em silêncio, se cruzam com alguns peregrinos ajoelhados, sabe Deus porque motivo.
O Sr. Piolho fez muitas perguntas, próprias da idade, e espantou-se ao ver velhotes a caminhar tanto de joelhos.
Aquele sítio é mesmo especial e sente-se um peso que não sei explicar... agradeci tudo o que queria agradecer e vim de alma lavada.

Muito bom passeio, hoje.


Faltam 4 dias para irmos namorar só os dois.
Confesso que estou desejosa!
Há muito tempo que não me apetece taaaanto estar só com ele.
Sem gritinhos à nossa volta, a toda a hora, a pedir atenção.


Vão ser 3 dias só para nós.
E vão saber a pato!

Seja Bem-vindo, Sr. Outono!


Eu gosto do Outono!
Posso até arriscar dizer que, a seguir ao Verão, é a minha estação preferida!
Os primeiros dias de Outono quase se confundem com o Verão, relembramos as férias que foram há tão pouco tempo, começa a apetecer vestir manga comprida e tapar a pernoca durante a noite, o cheiro a terra molhada, o início da escola, e enfim... os passeios ao fim de semana que ainda podem ser out door...
Este ano, veio em força, armado em Inverno e aqui a mamã não gostou... mas que raio de tempestade foi esta que mandaste vir, pá!?
Até parecia que a Casa Amarela vinha abaixo, com tanto vento e chuva, caneco!
Ainda por cima, a meio das obras (ai, as obras...) e sem janelas novas do lado do jardim-a-perder-de-vista, era ver o papá a meio da noite, de lanternaem punho, em busca de água...
Por agora, só as miúdas estão a pé. Os rapazes dormem o sono dos justos.
Ontem houve parque até mais não e arrumações caseiras.
Hoje estava nos nossos planos ir passear, mas não sei o Sr. São Pedro deixará... debaixo de chuva, não muito obrigada!

quarta-feira, setembro 19

O pleno:


De perna estendida a ver a Gabriela, a comer um iogurte com docinho de tomate.
O mais velho foi jogar à bola. A criançada dorme há séculos.
E ainda tenho que ir embrulhar presentes.
O da bola faz anos amanhã e haverá festa grossa.
Amanhã por esta hora ainda andamos todos aos encontrões uns aos outros (sorriso)
É isso e as surpresas que tenho preparadas há meses e que até me dão urticária, tal não é a vontade de contar....

Pontos de vista:


Então o que eu acho deste nosso país é que é tudo uma grandessíssima merd*!
E não vejo, de todo, luz ao fundo do túnel.
E ainda me irrita mais pensar que fui dos muitos que lá os puseram, na esperança vã de que, agora é que é, agora é que é... nota-se.
Chego à (triste) conclusão que é tudo igual.
Desacreditei completamente.
Prometi a mim mesma que nos tempos mais próximo nem me dou ao trabalho de lá ir por a cruz.
Para quê?
Mesmo que conseguisse votar de outra cor, aquilo é roda-o-disco-e-toca-o-mesmo!
E numa das pontas, a minha religião não me permite votar.
É o Governo e o Presidente da República.
Não se aproveita nem um.

Mas então se eu mandasse o que é que fazia?

Assim de forma bem fácil de entender...
O Estado tem apenas que se focar em três grandes áreas: justiça, saúde e educação. Investir e oferecer serviço.
De resto, privatizava.
Tudo.
Para o bem geral.
E despedia (do verbo despedir) os milhares de funcionários públicos que (pelo que sempre constou e é público) estão a mais em todo o lado.
Fundações? Nem uma!
Freguesias? Bastava um quinto, das que existem e dão despesa. Ui... e que despesa...
Ah e tal, mas isso não faz a economia crescer porque desempregados só ajudam a ir tudo ainda mais abaixo.
Epá, não.
Emigrem.
O que é que os povos do início do século passado faziam em busca de novas oportunidades? Emigravam.
Tenho visto partir muitos amigos em busca disso mesmo: melhor qualidade de vida.
E têm vingado.
Todos eles.
Se lhes custa? Claro que sim! E falo por mim, que nem quero pensar em viver longe da minha mãezinha, mas se visse a minha qualidade de vida ir pelo cano e não houvesse alternativa, pegava em mim e nos meus e ia.
Sei que é fácil falar, mas por isso é que tenho um blog: para falar, para opinar.
E isto é o que eu acho.

Cambada de ladrões!